Adj.: Diz-se do estilo que não tem excessos nem redundâncias; elegante

Arquivo para 2011

Cada vez que se fala de Chipre nas notícias em Portugal (normalmente devido ao futebol), aparecem jornalistas a falar e a escrever sobre “o Chipre”, acrescentando um artigo definido ao nome de um país que tradicionalmente não o deve ter. Tal como Portugal, Marrocos, Cuba, Malta, Madagascar, Aragão, Castela, Leão, Navarra, Taiwan, só para dar alguns exemplos, Chipre […]

Continuar a Ler »

Na semana passada e amanhã o Sport Lisboa e Benfica enfrenta numa competição europeia uma equipa turca chamada Trabzonspor. Alguns escribas ainda disseram que o nome é impronunciável, mas ninguém se deu ao trabalho de descobrir se a cidade de Trabzon tem ou não nome português. Pois tem. É Trebizonda, cidade importante na época medieval […]

Continuar a Ler »

Alguns dos opositores mais veementes ao acordo ortográfico (AO), como António Emiliano, Francisco Miguel Valada e Vasco Graça Moura, têm tentado nas últimas semanas reavivar a polémica, aproveitando o facto de haver um novo governo com claros propósitos reformistas, nomeadamente numa área de grande importância para a política da língua, a educação. O jornal “Público” tem […]

Continuar a Ler »

Tem-se falado bastante nos últimos dias acerca do caso do “copianço” no Centro de Estudos Judiciários (CEJ). Não sei o que espanta mais, se o moralismo de algumas “virgens indignadas”, se a mediocridade da direcção do CEJ que tentou abafar o caso. Vamos por partes: a prática do copianço não é propriamente um caso isolado […]

Continuar a Ler »

Agora que tomou posse o novo governo, talvez valha a pena regressar à polémica sobre o acordo ortográfico (AO). O novo governo poderá, eventualmente, aproveitar a descrispação política que parece ter-se instalado por algum tempo para tentar fazer avançar a execução do AO. Neste blogue sempre lamentei que a polémica em torno do acordo tenha acabado […]

Continuar a Ler »

Mão amiga reenviou-me um curto texto a explicar por que motivo a presidente Dilma Roussef  está a fazer grossa asneira quando defende o termo “presidenta”. Eis: «Existe a palavra PRESIDENTA? Que tal colocarmos um ponto final no assunto? Em português existem particípios ativos que são derivativos verbais. Por exemplo: o particípio ativo do verbo atacar é […]

Continuar a Ler »

Nos jornais desportivos de Portugal, nos últimos tempos, tem aparecido com alguma frequência o termo “ilusão” em frases que parecem um pouco absurdas na nossa língua. Exemplos: “Vamos disputar com muita ilusão o próximo jogo” ou “na nossa equipa jogamos sempre com muita ilusão”. Normalmente, trata-se de declarações de jogadores espanhóis ou da América latina […]

Continuar a Ler »

O dia seguinte (3)

7 de Junho, 2011 por Miguel RM

Mais um interessante comentário aos resultados eleitorais, desta vez de alguém – Luís M. Jorge – que anunciou ir votar em branco.  

Continuar a Ler »

O dia seguinte (2)

7 de Junho, 2011 por Miguel RM

Mais um interessante comentário aos resultados eleitorais, desta vez de Vasco Campilho,

Continuar a Ler »

1 – Vale a pena sublinhar o facto de os dois partidos de centro-direita terem obtido mais de 50 % dos votos expressos, o centro-esquerda se ter ficado pelos 28 % e a esquerda por uns míseros 13 %. São dados incontornáveis e é normal que na esquerda do espectro político haja muitas interrogações, excepto no […]

Continuar a Ler »